Sunlau

Só mais um site WordPress

  • A relação entre Artrite Reumatoide Juvenil e o repelente SUNLAU KIDS

    Conheça a História da Rayanne Conheça a História da Rayanne

    Texto de Autoria da mamãe Anne Furtado!

    "Meu nome é Anne Furtado, e hoje venho relatar para vocês a estória da nossa pequena Rayanne Mendes Furtado.

    .

    Vocês devem estar se perguntando que estória é essa que tem haver com repelente, mas, vamos lá, vou contar desde inicio para que todos possam entender a relação que minha filha tem com o repelente Sunlau Kids.

    .

    No dia 03 de novembro de 2015 (terça-feira), como de costume acordei cedo e fui preparar as mamadeiras das minhas filhas, para que pudesse alimentá-las e logo em seguida acordá-las para levá-las a creche. A Rayanne tinha 01 (um) aninho de idade, como toda criança de um aninho, sempre levantava e ficava brincando   no berço, mas nesse dia foi diferente, ela acordou chorando e não conseguia ficar de pé no berço, examinamos por todo o corpo e não vimos nada de estranho, qualquer machucado ou ferida, mas mesmo assim ela reclamava bastante.

    .

    Como no dia anterior, ou seja, segunda-feira nós tínhamos ido ao shopping passear e foi a primeira vez que ela tinha ido ao shopping e andando sozinha, pois, das outras vezes ela era menorzinha e ainda não andava, e também no domingo ela havia escorregado e esticado a perna, nós achamos não era nada mais, que poderia ser cansaço em virtude de ter andado muito no dia anterior, ou uma leve dor em virtude do escorregão no domingo, então dei um remédio de dor, levei ela para creche, e pedi que as tias da creche observassem, e qualquer coisa me ligassem.

    .

    Aproximadamente 4 horas após eu ter deixado ela na creche, a enfermeira da creche me ligou informando que ela estava reclamando do pezinho esquerdo e que estava um pouco inchado, foi então que imediatamente a levamos para o Pediatra Dr. Carlos Gusmão. Chegando lá ele a examinou, e contamos tudo que havia ocorrido nestes últimos dias, informamos que no domingo ela tinha escorregado e esticado a perna, mas não reclamou de dor em nenhum momento, e que na segunda-feira (feriado) fomos ao shopping passear e ela tinha andado e brincado muito com a irmã Nayara, e que tínhamos nos divertido muito e ela tinha tido uma gripezinha mais estava bem, e também não havia reclamado de nenhuma dor até aquele momento.

    .

    O Dr. Carlos Gusmão inicialmente a diagnosticou que poderia ser uma distensão muscular em virtude do escorregão ou uma Sinovite no quadril, tendo em vista que ela havia vindo de um resfriado, então ele passou um remédio para dor, e um spray para aplicação no local, e pediu para ficarmos observado.

    .

    Passado dois dias de medição e aplicação de spray no local não verificamos melhoras, foi então que ligamos para o Dr. Carlos Gusmão, e ele nos orientou a procurar uma emergência para podermos tirar um Raio X local, neste momento não tínhamos noção do que estava por vir, foi ai que começou a nossa luta.

    .

    Imediatamente fomos para ao Hospital infantil PRONTOBABY, a médica pediatra da emergência, junto com a médica pediatra da ortopedia a analisaram, fizeram o exame de Raio X da área do tornozelo e também do quadril, mas, no exame não apareceu nenhuma fratura, aí elas acharam por melhor imobilizar o pé, e passaram um remédio anti-inflamatório, pois acreditavam se tratar de uma torção, foi então que engessaram o tornozelo de nossa filha, e pediram que voltássemos daqui a três dias. Três dias após voltamos e nada, ainda continuava inchado e sem melhoras, foi então que a médica solicitou exames de sangue, para verificar uma possível infecção ou inflamação.

    .

    Quando veio o resultado do exame de sangue, o mesmo apresentou alterações, indicando possível inflamação, para piorar nossa filha estava com estomatite por ter usado remédios constantes, em virtude da estomatite nossa filha teve febre.

    .

    O exame de sangue alterado em conjunto com a febre, ai veio nosso pesadelo, a médica nos deu a noticia que teria que internar nossa filha, porque os exames de sangue deram alterados e deviam avaliar ela melhor, pois podia ser algo bem mais grave. Foi então que internaram ela, repetiram o exame de Raio X da perna, incluindo joelho e tornozelo, e também do quadril, dos dois lados, e nos exames não dava nada, fizeram também uma tomografia computadorizada e nada, as médicas já estevão pensando numa inflamação no osso, pelo fato de um exame de sangue dar alterado o VHS, mais graças a Deus, Nossa Senhora Aparecida e Obaluaê os exames de sangue foram normalizando, mas mesmo assim ainda ficamos 3 dias internados.

    .

    Após três dias internada a médica deu alta e pediu para retornamos para avaliação no setor ortopédico. Passaram dois dias e nossa filha voltou a sentir dor, e o pé ainda inchado, foi então que fomos em uma emergência ortopédica em outro hospital, novamente repetiram o exame de Raio X, novamente não deu nada, e voltaram a engessar o tornozelo dela, e o médico deste hospital pediu para retornar após três dias.

    .

    Passado os três dias, resolvemos voltar no primeiro hospital, o hospital PRONTOBABY, pois lá tinha atendimento ortopédico e também poderia fazer outros exames caso necessitasse. Pela vontade do Senhor Deus, neste dia encontramos com a mesma Pediatra do setor ortopédico que havia atendido nossa filha no primeiro dia de emergência, foi então que ela começou a avaliar mais profundo o caso, tendo em vista que já havia feito diversos exames de sangue e Raio X e não dava nada.

    .

    Naquele momento ela já ligou para sua chefe, que em outra oportunidade já havia conversado sobre o caso Rayanne, e também já de tinha conversado com outros médicos, foi então, que após todas as exclusões de diagnóstico ortopédico ela nos disse:  “Mãe  e Pai  o caso  da Rayanne  não  é  ortopédico  e sim ambulatorial!”,   ficamos sem entender nada, perguntamos  o que ela tinha, a Doutora  gentilmente  nos pediu   o telefone do  pediatra  dela, pois queria  conversar com ele, para poder  nos passar  a avaliação  dela  juntamente  com a dele, conversaram e a mesma nos chamou e disse  que tinha  suspeita de  Artrite Reumatoide Juvenil, mas para ter  certeza  nossa filha iria ter que fazer vários exames de sangue  e também uma ressonância magnética, esse exame  ia confirmar  as suspeitas dela, saímos de lá arrasados mais com muita Fé em Deus, na Nossa Senhora  Aparecida, e Obaluaê. Imediatamente fomos marcar os exames e fomos conversar com o pediatra dela o Dr. Gusmão, onde o mesmo     nos indicou uma Pediatra que era especialista em reumatologia por nome de Dra. Christianne Costa Diniz.

    .

    Esperamos os exames ficarem prontos e marcamos com ela, exatamente um mês depois de tanta luta fomos ao encontro da Dra.  Christianne,   ao chegarmos  em seu consultório, só de observar  a doutora constatou   que se trata de Artrite Reumatoide Juvenil, nosso  chão abril  como assim um  Bebê de 01 aninho com artrite,  pensamos que era só  coisa de idoso, mais NÃO,  descobrimos que  criança tinha  artrite  e muitas não sabiam  e quando se descobria  já estava avançada  e o tratamento  já ficava mais difícil.

    .

    A Dra. Christianne examinou    a nossa princesinha da cabeça aos pés, olhou os exames   e constatou que se tratava de uma Artrite Idiopática Juvenil - (AIJ) é uma doença crônica caracterizada por inflamação persistente das articulações. Os sinais típicos da inflamação das articulações são a dor, inchaço e limitação dos movimentos. "Idiopática" significa que não sabemos a causa da doença e "juvenil", neste caso, significa que o início dos sintomas ocorre normalmente antes dos 16 anos de idade, que no caso da RAYANNE era a ARTRITE OLIGOARTICULAR, ou seja, é o subtipo mais frequente de AIJ, representando quase 50% de todos os casos.

    .

    Caracteriza-se pela presença de menos de 5 articulações envolvidas durante os primeiros 6 meses de doença, na ausência de sintomas sistémicos. Afeta grandes articulações (tais como os joelhos e tornozelos) de forma assimétrica. Por vezes apenas uma articulação é afetada (forma monoarticular). Em alguns doentes, o número de articulações afetadas aumenta para 5 ou mais após os primeiros 6 meses de doença; designa-se por oligoartrite estendida. Se o número de articulações envolvidas durante a evolução da doença for inferior a 5, esta forma é identificada como oligoartrite persistente.

    .

    A oligoartrite tem início geralmente antes dos 6 anos de idade e é mais frequente no sexo feminino. Com o tratamento apropriado, o prognóstico articular é frequentemente bom nos doentes em que a doença permanece limitada a poucas articulações, sendo mais variável nos doentes que desenvolvem uma extensão do envolvimento articular em poliartrite.

    .

    Uma proporção significativa dos doentes pode desenvolver complicações oculares, tais como a inflamação da parte anterior do globo ocular (uveíte anterior), uma camada com vasos sanguíneos que envolve o olho. Uma vez que a parte anterior da óvea é formada pela íris e pelo corpo ciliar, a complicação é designada por iridociclite crónica ou uveíte anterior crónica. Na AIJ, esta é uma condição crónica que se desenvolve internamente, sem causar quaisquer sintomas evidentes (tais como dor ou vermelhidão do olho). Se não for diagnosticada e tratada, a uveíte anterior progride e pode causar lesões muito graves no olho.

    .

    O diagnóstico precoce desta complicação é, portanto, extremamente importante. Uma vez que o olho não fica vermelho e a criança não se queixa de visão turva, a uveíte anterior pode não ser detectada nem pelos pais nem pelos médicos. Os fatores de risco para o desenvolvimento de uveíte são o início precoce de AIJ e anticorpos antinucleares positivos (ANA).

    .

    Como tal, é imperativo que as crianças com risco elevado de sofrerem desta complicação sejam observadas periodicamente por um oftalmologista, utilizando um aparelho especial, designado por lâmpada de fenda. A frequência dos exames oftalmológicos é geralmente a cada 3 meses e deve ser mantida a longo prazo.

    .

    Após sabermos do resultado, e também a Dra Christianne nos ter dado todas as informações começamos o tratamento e com muita fé em Deus, ela teria que usar remédios contínuos.  Logo que começou a usar os remédios  de nome Alivium, o ibuprofeno de 8 em 8 horas  a nossa princesa  foi  voltando  a andar   aos poucos,  nisso   foi passado várias vacinas   porque  ela ia começar um tratamento   que não  poderia  tomar nenhuma vacina  que  tivesse  vírus vivo,    e todo mês  tinha que fazer  vários exames de sangue e de urina, para acompanhamento,  quase um ano depois  do acompanhamento   com  os exames e o remédio a Dra.  Nos avisou que iria começar um outro tratamento que era muito bom para ela, que seria através de vacina toda semana, que EU mesma poderia aplicar, meu Deus Eu fiquei em pânico, mais como fazemos tudo pelos nossos filhos, disse eu aplico é só explicar.

    .

    Foi então que a Dra. liberou   a vacina de nome METOTREXATE (MTX), nós chamamos de vacina, mais na verdade é uma medicação usada para tratamento   cancerígeno, fiquei nervosa meu Deus minha bebê tomando uma vacina tão forte dessa, foi então que a Dra.  explicou  que as doses seriam pequenas  e que não iriam  afetar  nada, só teria que continuar com os exames laboratoriais  constantes, e assim fizemos nisso  já se vão para  02 dois anos essa  luta,  junto  com o MTX tivemos  que dar  Acido  fólico, vitamina D e observar  qualquer  mudança, graças a Deus hoje a doença esta controlada.

    .

    Vocês devem estar se perguntando aonde entra o repelente SUNLAU KIDS? Então, contamos todas esta história para que todos possam saber mais sobre uma doença pouco conhecida, e que por cousa do uso do medicamento METOTREXATE (MTX), nossa filha não pode tomar vacinas com vírus vivo, além de sua imunidade ser relativamente controlada, além dela ser alérgica a picada de mosquito.

    .

    Por isso quando veio  surto da febre amarela, da zika, e da chikungunya, ficamos desesperados, nossa única alternativa era fazer uso de um repelente eficaz, que pudesse nos dar a segurança contra qualquer picada de mosquito, foi ai que  entrou SUNLAU KIDS, pois, procuramos por vários repelentes, usamos de várias marcas, mas, o único que se mostrou eficaz, bem superior a qualquer outro, foi o SUNLAU KIDS   10h,  que  passou fazer parte  da nossa  vida  nos deixando mais tranquilos, pelo fato da nossa  pequena  estar protegida   tanto   dessas  doenças e  das alergia  que ela tem a mosquito  e insetos.

    .

    Essa é a história da nossa pequena Rayanne, espero   que tenha de alguma forma ajudado a alertar outras famílias sobre essa doença chamada Artrite Reumatoide Juvenil que até então eu e minha família não sabíamos!

    .

    Gostaria de deixar meu agradecimento a todos os médicos envolvidos em especial ao o Dr. Carlos Gusmão e a Dra. Christianne Costa Diniz que nos ajudam diariamente no tratamento de nossa filha.

    .

    Obrigado também a HENLAU QUÍMICA pelo excelente produto, o SUNLAU KIDS que tem nos ajudado a proteger nossa filha contra picadas de mosquitos e isentos.

    .

    Anne Furtado"

    Nós da Henlau Química fabricantes da marca SUNLAU, estamos comovidos com o relato da mamãe Anne e damos o nosso maior apoio à toda família!

    Conte conosco!

    Super beijos :-)

  • Proteja-se da gripe

    álcool_gel_Sunlau_proteção

    O outono tem baixado a temperatura em muitas cidades do país, principalmente nas regiões Sul e Sudeste, situação que tende a piorar com a chegada no inverno, em 21 de junho. Junto com o frio, chegam as doenças respiratórias e alergias, tão comuns principalmente em crianças e idosos.

     Entre as medidas preventivas, uma orientação recorrente dos médicos é o cuidado extra com a higiene das mãos, uma forma de evitar a contaminação por vírus e bactérias. Um ótimo aliado é o álcool em gel 70%, como o da SUNLAU, que combate 99,9% dos germes. Ter o produto na bolsa é importante, principalmente, para quem usa transporte público e trabalha em espaços coletivos.

    Apesar de ser mais conhecida por suas linhas de repelentes e de protetores solares, a SUNLAU oferece o álcool em gel formulado com aloe vera, que tem ação hidratante e calmante, deixando a pele limpa, sem irritar e nem ressacar. Para a bolsa, a dica é a embalagem de 120 ml com aplicação em spray - outra forma de evitar a contaminação, já que não é preciso encostar a tampa na pele. E para manter na mesa de trabalho ou em casa, no banheiro é sempre útil, há também a opção de 250 ml e 1 litro.

    Tem dúvidas, sugestões de novos temas, críticas ou questões que gostaria de esclarecer? Por favor, entre em contato com nossa equipe de comunicação assessoria.imprensa@sunlau.com.br

     Até a próxima! ;-)

  • Mito ou Verdade?

    SUNLAU_ARTES_BLOG_mito_ou_verdade

    Os repelentes são feitos com substâncias químicas muito fortes, incompatíveis com a pele de bebês, crianças, gestantes e idosos.

    MITO. Há produtos feitos especialmente para a pele delicada de pessoas com imunidade mais baixa. A SUNLAU oferece uma linha exclusiva com repelentes para bebês entre 0 a 6 meses (a linha baby), DEET free e com Ativo IR3535, para garantir proteção total aos pequenos; além de produtos específicos para crianças (em spray) e repelentes em gel e em spray com icaridina, de baixa toxidade, recomendados também para gestantes e idosos.

    O mosquito Aedes Aegypti pode picar por cima das roupas.

    VERDADE. Este tipo de inseto tem cânulos alongados, que consegue passar pela roupa e chegar à pele. Por isso, a necessidade de aplicar repelente também nos tecidos. Para quem quiser se prevenir por mais tempo, a linha de sprays da SUNLAU permite a aplicação também nos tecidos, sem manchar nem deixar oleoso.

    É preciso reaplicar o repelente de tempos em tempos como se faz com os filtros solares.

    VERDADE. Cada produto tem um tempo máximo de ação, que pode ser prejudicado por conta de suor excessivo ou exposição a água. Assim como os protetores solares, é preciso atenção à recomendação da embalagem e conferir os melhores momentos para a reaplicação de cada produto. No caso da linha de repelente SUNLAU com icaridina, a ação dura por até 10 horas.

    Os repelentes interagem com aromas de perfumes e cremes e podem perder o efeito.

    EM PARTE. É preciso tomar cuidado com a mistura de produtos na pele, já que os insetos são atraídos por alguns odores, como os encontrados em cosméticos. A ação do repelente não deixa de existir, mas pode sim ser prejudicada. É por isso que os repelentes SUNLAU não têm perfume, podendo ser usados sem riscos. Para uma maior praticidade, vale experimentar o protetor 2 em 1, produtos inovador e pioneiro no mercado brasileiro, que une proteção solar FPS 30 com a icaridina, o melhor princípio ativo contra os insetos.

  • A importância do uso de filtro solar mesmo com o fim do verão

    O verão acabou SUNLAU

    Parece estranho, mas houve um tempo em que o filtro solar não era considerado um item de primeira necessidade. Poucos anos separam uma realidade em que se usavam óleos nada saudáveis para tentar ganhar a cor do verão com o mínimo esforço. A popularização dos protetores solares é recente e atualmente é recomendado por dermatologistas para uso diário, independente da estação do ano, cor da pele, ou tempo de exposição ao Sol.

     A SUNLAU conta com uma linha de filtros solares especialmente pensada para todo o ano, já que vivemos em um país tropical, muito próximos do Equador, onde a radiação solar é alta durante praticamente todos os meses. A proteção vai além de doenças, como o câncer de pele; os filtros solares também previnem manchas (que podem acontecer até em escritórios fechados, sob luzes artificiais), envelhecimento precoce, lesões, queimaduras e flacidez.

     Com diferentes fatores de proteção, mas tendo em comum o mesmo cuidado no desenvolvimento de fórmulas hipoalergênicas. A linha conta com produtos com FPS 30, 50 e 60, todos com composição oil free (que não deixa a pele grudenta), que proporciona a sensação de toque seco para um maior conforto. Além de bloquearem a ação solar por até 4 horas, também agem na pele, com um reforço de hidratação e vitamina E, que tem ação antioxidante.

    “A SUNLAU possui o departamento de P&D (projeto e desenvolvimento) muito alinhado com as inovações e as tendências de mercado, tendo o produto ideal para cada tipo de pele.

    Sem dúvidas, a maior inovação é o PROTETOR SOLAR FPS 30 SUNLAU COM REPELENTE - 2 EM 1, que une o filtro solar com FPS 30 aos benefícios da icaridina, o ativo mais seguro e eficaz, com repelência comprovada contra insetos.  Trata-se do princípio ativo mais indicado pela classe médica”, salienta Sr. Norberto L. Afonso, Engenheiro Químico responsável pelo desenvolvimento da Linha HENLAU, que detém a marca SUNLAU. O produto pioneiro protege a pele por até 3 horas, tanto do sol quanto dos insetos.

     Com tanta tecnologia, por que deixar de se proteger, não é mesmo? As embalagens são práticas de carregar na bolsa, em bisnagas de 120g, para que não haja desculpa alguma na hora de reaplicar o produto escolhido. E para quem ainda assim sente que a pele precisa de uma forcinha, o GEL SUNLAU PÓS-SOL HIDRATANTE é o alívio ideal com aloe vera, que age diretamente como um reforço na hidratação, além de proporcionar uma deliciosa sensação de refrescância.

    Tem dúvidas, sugestões de novos temas, críticas ou questões que gostaria de esclarecer? Por favor, entre em contato com nossa equipe de comunicação atendimento@sunlau.com.br

    Até a próxima! :D

  • O QUE É ICARIDINA?

    Blog

    O nome complicado pode até assustar, mas a icaridina é completamente do bem: é ela a substância mais recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) quando o assunto é proteção contra insetos. No caso do Brasil, que sofre com as doenças relacionadas ao Aedes aegypti, a proteção certeira é também aprovada pelo Ministério da Saúde. Por isso, a SUNLAU não teve dúvidas na hora de escolher o princípio ativo não só dos repelentes, mas também do protetor solar 2 em 1, uma inovação já disponível nas redes de farmácia do país.

    Criada pela Bayer no início dos anos 1990, devido a um surto de malária que atingiu o exército francês que ficava na divisa do Amapá, a icaridina tem vantagens em relação aos demais compostos. É o que sempre salienta Sr. Norberto L. Afonso, Engenheiro Químico responsável pelo desenvolvimento da Linha Henlau, que detém a marca SUNLAU. “Por ter baixa toxicidade em relação a outras substâncias, a icaridina pode ser utilizada em uma concentração que garante a proteção prolongada, chegando até 10 horas, no caso dos repelentes para adultos. O protetor solar 2 em 1, um produto pioneiro no mercado. Todo o processo de elaboração é baseado em incansáveis estudos científicos, sempre atualizados e comprovados”, ressalta.

    O pioneirismo, no entanto, não é limitado apenas ao tempo de proteção. Os técnicos da SUNLAU também pensaram no bem-estar das pessoas: afinal, hoje em dia, a aplicação de repelentes deve ser um hábito diário. O protetor 2 em 1 tem ação cosmética garantida pela vitamina E (antioxidante) e o toque seco oil free não deixa a pele com aquela sensação úmida e desagradável de estar saindo da praia. Outra vantagem é o fato de ser hipoalergênico, assim como toda a linha de repelentes da marca, o que garante o uso sem restrições em adultos (gestantes e idosos, inclusive – consulte seu médico sempre que necessário), crianças e bebês acima dos seis meses. “E como cheiros fortes atraem insetos, todos os produtos com icaridina não têm perfume”, conclui Afonso.

    Vamos conhecer melhor cada item da linha?

    SUNLAU Gel Repelente contra insetos com icaridina: Tem eficácia de 10 horas com reaplicação recomendada depois de contato excessivo com suor ou água. A fórmula com 20% de icaridina é exclusiva, assim como as demais composições dos produtos da marca. (http://www.sunlau.com.br/produtos/repelentes/icaridina/gel-reprelente-de-insetos-icaridina-sunlaugel.html)

    SUNLAU com icaridina Max Spray: Recomendado para ser aplicado na pele e também nas roupas, já que o mosquito tem cânulos longos que conseguem ultrapassar o limite dos tecidos. Também protege contra outros mosquitos, como Anófeles, Culex e pernilongos, que transmitem doenças como malária e febre amarela, entre outras. Eficácia de 10 horas. (http://www.sunlau.com.br/produtos/repelentes/icaridina/spray-repelente-para-insetos-icaridina-sunlaumax.html)

    SUNLAU repelente Kids Spray: Pode ser aplicado e reaplicado sem riscos na pele de crianças e também em roupas, já que os pequenos são mais vulneráveis a doenças como dengue e febre amarela. (http://www.sunlau.com.br/produtos/repelentes/icaridina/spray-repelente-para-insetos-icaridina-sunlaukids.html)

    SUNLAU repelente BABY: um dos únicos produtos do mercado nacional recomendado para bebês acima dos seis meses, conta com o ativo IR3535. Tem eficácia comprovada de até 4 horas contra mosquitos. Não é oleoso, não irrita as mucosas e nem deixa a pele pegajosa. (http://www.sunlau.com.br/produtos/repelentes/ir3535/repelente-baby.html)

    Tem dúvidas, sugestões de novos temas, críticas ou questões que gostaria de esclarecer? Por favor, entre em contato com nossa equipe de comunicação (atendimento@sunlau.com.br)

    Até a próxima! :)

  • Uso de repelentes SUNLAU por gestantes

    Uso de repelentes SUNLAU por gestantes

     sunlau_gestante_repelente

    O surto de zika vírus acendeu o alerta: mulheres grávidas precisam de proteção extra em relação ao mosquito Aedes aegypti. Apesar das primeiras evidências da dengue serem de 1916, o país continua passando por surtos anuais. Mas com o aparecimento da chikungunya e da zika, essa última ligada aos casos de microcefalia em bebês nascidos de gestantes que tiveram a doença, os cuidados precisaram ser redobrados. A  SUNLAU investe em produtos hipoalergênicos e com baixa toxicidade, o que permite a aplicação em qualquer tipo de pele - o que inclui as mulheres com mais de doze semanas de gestação.

     

    “Todo o trabalho feito com os repelentes da SUNLAU com icaridina tem respaldo das classes médica e científica, baseado em anos de estudos. A indicação dos obstetras é que o repelente em spray pode ser reaplicado também sobre tecidos, sem qualquer risco para a saúde da mulher e do bebê”, explica Sr. Norberto L. Afonso, Engenheiro Químico responsável pelo desenvolvimento da Linha Henlau, que detém a marca SUNLAU.

     

    A ação se explica pela taxa de volatilidade da icaridina, que é mais lenta nas roupas do que na pele, o que permite proteção contínua. Enquanto a maioria usa DEET como princípio ativo, a SUNLAU usa a icaridina, que oferece maior proteção, não é  tóxica e pode ser reaplicada na pele sem restrições. “Esse é o diferencial de nossos produtos, usamos a icaridina tanto nos repelentes em gel e spray quanto também na linha solar, com o lançamento do protetor + repelente. O produto 2 em 1 é uma inovação, não há outro similar no Brasil”, afirma Brunieri.

     

    No caso do protetor solar SUNLAU 2 em 1, o tempo de repelência é de 3 horas, mas a vantagem da proteção dobrada - à exposição solar aos raios UVA e UVB (saiba mais no texto anterior) e aos insetos - é um atrativo inegável, quanto mais em tempos em que a correria rotineira parece não ter fim, não é mesmo? O toque seco, o perfume suave e a fórmula oil free são aquele pulo do gato que todo mundo adora e fazem a diferença na hora de escolher como se proteger.

    Tem dúvidas, sugestões de novos temas, críticas ou questões que gostaria de esclarecer? Por favor, entre em contato com nossa equipe de comunicação (atendimento@sunlau.com.br).

    Até a próxima!

  • SUNLAU PROTETOR SOLAR 2 EM 1

    SUNLAU PROTETOR SOLAR 2 EM 1 A importância do filtro solar já é mais que conhecida, mesmo por quem não tem o costume de ir à praia e nem pensa em torrar no sol por aí. Ficar com a cor do verão, com marquinha e tudo mais, não é mais sinônimo de fazer loucuras - ainda bem! O uso do repelente também se tornou essencial nos últimos anos, diante de tantos surtos seguidos de dengue, e principalmente agora com as epidemias de chikungunya e zika vírus e a ameaça da febre amarela urbana voltar ao país. Para ninguém sucumbir à preguiça e aplicar dois produtos diferentes, a SUNLAU lançou há pouco mais de um ano o SUNLAU PROTETOR SOLAR 2 EM 1, que além de ter FPS 30, também possui icaridina em sua fórmula, o melhor princípio ativo contra o Aedes aegypti, inimigo número 1 da saúde pública no país.

    Pioneira tanto no uso da icaridina quanto na fabricação de um produto tão inovador, a marca pensou no conforto da aplicação e na manutenção da proteção: o SUNLAU PROTETOR SOLAR 2 EM 1 tem apresentação em creme, com toque seco e oil free, ideal para qualquer tipo de pele, sendo recomendado para adultos, idosos, gestantes e bebês acima de seis meses. Poderia ser melhor? Sempre pode :)

    A ação cosmética do SUNLAU PROTETOR SOLAR 2 EM 1 é garantida pela vitamina E presente na fórmula, que tem age contra os radicais livres, com poderoso potencial antioxidante - uma forcinha e tanto para garantir a beleza e a jovialidade da pele. Acabou a desculpa para não usar filtro solar e repelente, não é mesmo? Outra inovação é a presença do ativo marinho biofuncional, que preserva o colágeno da pele, auxiliando na manutenção da estrutura da pele. Um antiaging natural, que atua na proteção contra a radiação INFRA-V.

    Mais uma boa notícia (é, esse nosso primeiro post de 2017 está recheado de ótimas notícias): a aplicação do SUNLAU PROTETOR SOLAR 2 EM 1 tem eficácia por até 3 horas, salvo, claro, se a sudorese for muito acentuada ou se os mergulhos forem inevitáveis (e quando não são? :)). Mas reaplicar um produto com cheiro agradável e tantos benefícios nem é um sacrifício, não é mesmo? Afinal, nada melhor do que se tratar bem.

    Só não vale esquecer-se de se proteger em ambientes fechados, como os escritórios, que também merecem atenção, já que a luz artificial pode sim manchar a pele e prejudicar a saúde. Do lado de fora, há perigos que pioram no verão: a incidência de raios UVA e UVB também está à toda, o que requer total atenção.

    Se tiver dúvidas, consulte seu dermatologista sobre esses e outros assuntos. Tem sugestões de novos temas, críticas ou questões que gostaria de esclarecer? Por favor, entre em contato com nossa equipe de comunicação (atendimento@sunlau.com.br).

    Até a próxima!

  • QUAL A VERDADEIRA EFICÁCIA DOS REPELENTES DE INSETOS

    sunPROFILAXIA DE EXPOSIÇÃO À DOENÇAS VETORIAIS

    QUAL A VERDADEIRA EFICÁCIA DOS REPELENTES DE INSETOS: O QUE DIZ A LITERATURA MÉDICA

    Conheça suas diferenças e se proteja corretamente.

    Insetos e humanos convivem desde sempre. E são poucas as informações disseminadas junto às diversas especialidades médicas acerca das medidas de proteção contra doenças vetoriais.

    O motivo desta carência de informações talvez se deva à forma com que os governos trabalhem no controle de doenças transmitidas por insetos como a Dengue, a Malária e a Leishmaniose, e mais recentemente a Zika, Chikungunya, restringindo toda sua comunicação e esforço na divulgação do controle e eliminação do vetor e quase nunca na proteção individual.

    É certo que existe uma grande demanda da população por medidas de proteção, já que as epidemias têm grande repercussão e o ataque do carrapato transmissor da febre maculosa, por exemplo, é muito freqüente e motivo de grande desconforto. Porém, todo o esforço de comunicação sobre o assunto se restringe às medidas de saúde pública: o controle ou eliminação do vetor e quase nunca a proteção individual.

    EPIDEMIOLOGIA

    A OMS – Organização Mundial de Saúde afirma que todo ano 50 milhões de pessoas são infectadas pelo Aedes aegypti causando cerca de 25 mil mortes além de mais de um milhão de mortes ocasionadas pela malária

    As autoridades sanitárias se esforçam em divulgar o controle da proliferação do inseto. Estas medidas são corretas e necessárias e devem ser permanentes, já que o calor e a umidade, ideais para a proliferação dos mosquitos, estarão sempre presentes nas regiões tropicais do planeta.

    Entretanto, a literatura médica sobre profilaxia de exposição às doenças vetoriais é muito farta e indica a proteção individual como uma medida verdadeiramente eficaz contra o desconforto, reações alérgicas e, principalmente, as doenças transmitidas por insetos.

    MEDIDAS DE PROTEÇÃO

    REPELENTES

    Diante da necessidade de proteger seus soldados no exterior, o exército americano empreendeu a pesquisa e o desenvolvimento da profilaxia com substâncias químicas. No caso dos repelentes cutâneos, mais de 9.000 substâncias foram testadas desde a década de 403.

    ICARIDINA – KBR3023, BAYREPEL/SALTIDIN

    A ICARIDINA é um repelente extremamente polivalente, superior ao DEET (dietiltoluamida) substância tida até agora como a mais eficaz contra cada tipo de inseto4.

    A tabela 1 mostra quanto tempo dura em média a proteção das substâncias repelentes, bem como sua concentração ótima:

    Tabela I

    Principais princípios ativos utilizados como repelentes

    DEET* DMP* EHD* IR35/35* ICARIDINA**
    Concentração ótima 35% - 50% 40% 30% - 50% 20% 20%
    Proteção média 4 à 6 horas 1,5 hora 1 hora 4 horas 10 horas

    Tabela I. – Comparação da eficácia dos diferentes repelentes cutâneos

    * Carnevale P. in : DuPont HL, Steffen R Eds. Textbook

    ** The Medical Letter on drugs and therapeutics 2003; 45: 41-2. 1969; 100: 582-86.

    . DEET – dietiltoluamida,

    . DMP – dimetilftalato,

    . EHD – etilhexanediol,

    . IR35/35 – N-butil-N-acetil-3-etilaminopropianato.

    . ICARIDINA (KBR3023, Bayrepel/Saltidin) - 1-piperidincarboxylid acid 2-(2-hydroxyethyl)-1-methylpropylester

    Num artigo do Medical Letter  sobre repelente de insetos6 afirma que num teste de campo com grupo de controle, com 19,2% de icaridina, se mostrou eficaz (>95% de proteção por 8 horas)8.

    * Frances SP et coll. Response of  Anopheles Dirus and Aedes Albopictus to repellents in the laboratory. J Am Mosq Control Assoc 1993;9:474-476

    A Tabela III abaixo, compara as diferenças entre o DEET e a ICARIDINA.

    TABELA III

    DEET – 50% ICARIDINA/(KBR3023 – Bayrepel)*
    Concentração Ótima 50% 25%
    Tempo de proteção 5 horas 10 horas
    Irritação das Mucosas Sim Não
    Interação com protetores solares Sim Não
    Idade mínima 12 anos 2 anos

    SEGURANÇA

    Alguns casos raros de encefalopatia tóxica foram constatados em crianças com menos de dez anos que usaram produtos subdosados em DEET o que levou a Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária a vetar o uso de repelentes com DEET em crianças menores de 12 anos.

    Não existe produto registrado junto à Anvisa com concentração superior à 30 % no Brasil. O ativo IR3535 é o produto mais seguro para aplicação em Bebes de 6 meses a 2 anos. Recomenda- se a utilização de Repelentes com IR3535 na pele descoberta e Repelentes com Icaridina para ser passado sobre as roupas do bebê, vestindo-as apenas após a secagem, assim tendo  uma proteção completa.

    Aproximadamente 40% das picadas de mosquitos ocorrem através da roupa8. Sendo assim, a pesquisa e o desenvolvimento da proteção pessoal contra mosquitos sempre associaram um repelente cutâneo aplicado sobre as partes descobertas e renovado a cada quatro ou cinco horas (dependendo do princípio ativo e da sua concentração) e uso de roupas impregnadas de repelentes - o mosquiteiro com inseticida pode ser considerado um complemento noturno deste conceito.

    A ICARIDINA pode perfeitamente ser utilizada para impregnar roupas - a pulverização das roupas, um spray de ICARIDINA à concentração a partir de 20% assegura uma proteção efetiva contra mosquitos e carrapatos9.

    Como no caso dos medicamentos, seguir todas as instruções é essencial e muitas vezes a utilização correta dos Repelentes é determinante para proteção adequada da pele.

    Convém, além disso, insistir que as roupas sejam:

    - compridas e largas, já que o mosquito picará com mais facilidade a pele envolta por uma calça/ roupa apertada.

    - impregnadas com ICARIDINA por pulverização, uma operação simples que pode garantir proteção por 48 horas ou uma lavagem10.

    Perfumes atraem insetos, são potencialmente alergênicos e devem ser evitados, bem como repelentes com fragrâncias.

    Na aplicação, recomenda-se especial atenção à freqüência - uma ou duas aplicações por dia nos momentos mais críticos (ao pôr do sol, por exemplo, numa região sujeita à malária), renovada a cada 10 horas ou com mais freqüência se a temperatura for muito elevada.

    As áreas que devem ser protegidas são todas aquelas que estiverem expostas e a superfície externa dos tecidos. Os repelentes evaporam criando uma nuvem de 4 cm em torno da área aplicada. Aplicar na pele e depois cobri-la com a roupa impede a evaporação e torna o repelente ineficaz.

    A aplicação deve ser generosa e homogênea. A tendência das pessoas é usar menos do que deveriam e como o raio de ação é de apenas 4 centímetros, o repelente aplicado na face não protegerá, por exemplo, a nuca11.

    A taxa de mortalidade das doenças transmitidas por artrópodes requer produtos repelentes de grande eficácia. Um estudo publicado no The New England Journal of Medicine por M.S. Fradin e equipe12 , afirma que os repelentes à base de DEET em baixas concentrações não oferecem proteção total, confiável e prolongada contra picadas de mosquitos.

    Além do DEET em concentrações entre 35 e 50%, a literatura médica indica a ICARIDINA na proteção contra picadas de insetos.

    TESTES

    Este estudo do The New England Journal of Medicine12 avaliou 15 voluntários, nos quais foram testadas a eficiência e a duração de diversos repelentes químicos, alguns contendo DEET, outros IR35/35 e outros ainda, repelentes de origem vegetal, em geral, menos agressivos.

    Os médicos americanos lembraram que a ICARIDINA é o repelente melhor avaliado.

    Testes em campo contra o anófeles seriam ainda mais favoráveis à ICARIDINA, visto que a substância resiste melhor à transpiração. A ICARIDINA demonstra a maior eficácia contra o anófeles em comparação com o IR 3535 e o DEET14.

    Os repelentes botânicos (citronela) e nenhum outro composto orgânico ingerido, incluindo alho e tiamina (Vitamina B1) mostraram-se capazes de repelir os insetos.

    Repelentes à base de ICARIDINA são o padrão de referência da profilaxia contra exposição às doenças transmitidas por insetos, principalmente nas regiões onde o risco de picadas de artrópodes é alto. A associação de roupas impregnadas garante a máxima proteção contra as picadas de insetos transmissores de doenças evitando o absenteísmo e aumentando a segurança do trabalhador.

    Evaluation of Olyset insecticide-treated nets distributed seven years previously in Tanzania, Tami, A., et al. 2004 Malaria Journal 2004, 3:19.

    1. World Malaria Report 2005 – http://rbm.who.int/wmr2005/
    2. Vodoz AL. La prophylaxie d’exposition du paludisme. Med Hyg 1989; 47 : 2855-2857
    3. Costantini C, Badolo A, Ilboldo Sanogo E. Field evaluation of the efficacy and persistence of insect repellents DEET, IR3535, and KBR3023 against Anopheles gambiae complex and other Afrotropical vector mosquitoes. Trans Royal Soc Trop Méd Hyg 2004; 98:644-52.
    4. Le Goff V. Camevele P. Évaluation d’un Repulsif à base de DEET sur trois vecteurs du paludisme en Afrique Centrale. Cahiers Santé 1994 ; 4:269-273
    5. Insect Repellent. Med Lett Drugs Ther 2003; 45:41
    6. SP Francês et al. J Méd Entomol 2002; 39:541
    7. Grannet P. Haynes HL Insect repellent proerties of 2-ethylhexanediol-1,3. J Econ Entomol 1945 ; 38 : 671-675
    8. http://wwwn.cdc.gov/travel
    9. http://wwwn.cdc.gov/travel/contentMosquitoTick.aspx
    10. Maibach HW, Kahn AA, Akers W. Use of Insect repellent for maximun efficacy. Arch Dermatol 1974 ; 109 : 32-35.
    11. Fradin MS, Day JF. Comparative Efficacy of insect repellents against mosquito bites. N Engl J Med 2002; 347 (1): 13-18.
    12. J Méd Entomol. 2004; 41 (3) 414-417
    13. Costantini C, Badolo A, Ilboldo Sanogo E. Field evaluation of the efficacy and persistence of insect repellents DEET, IR3535, and KBR3023 against Anopheles gambiae complex and other Afrotropical vector mosquitoes. Trans Royal Soc Trop Méd Hyg 2004; 98:644-52
    14. Miot, H.A.; Batistella, R.F.; Batista, K.A.; Volpato, D.E.C.; Augusto, L.S.T.; Madeira, N.G.; Haddad Jr., V. & Miot, L.D.B. - Comparative study of the topical effectiveness of the andiroba oil (Carapa guianensis) and DEET 50% as repellent for Aedes sp. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, 46(5):253-256, 2004
  • ALERTA O VÍRUS ZICA AFETA EM QUALQUER MOMENTO DA GESTAÇÃO

    A gama de doenças causGESTANTEadas pelo Aedes aegypti são preocupantes, um único inseto pode transmitir a  dengue, o chikungunya e também o zíra vírus que causa danos irreversíveis em bebês.

    Segundo a revista científica  “The New England Journal of Medicine” o vírus da Zika pode causar danos ao feto em qualquer período da gestação. Antes acreditava-se que era apenas no primeiro trimestre que o vírus atingia o feto, porém testes realizados com grávidas que contraíram o zíca vírus  entre a 25º a 30º semana de gestação também tiveram a confirmação de alterações nos fetos que parecem ser em razão de problemas na placenta, como crescimento intrauterino retardado e alteração do volume do líquido amniótico.

    “É um estudo ainda pequeno, mas é a primeira evidência  de associação (entre o zika e os casos de microcefalia). É original, de relevância.” Diz o médico Luis Correa , professor da Universidade Federal da Bahia e especialista em medicina  baseada em evidência.

    Orientamos que a prevenção seja feita por todos, principalmente pelas gestantes!

    Lembre-se sempre de usar o repelente de insetos regularmente (obedecendo as instruções de uso), use roupas compridas e claras e coloquem telas de proteção nas janelas. Não esquecendo de olhar sempre o quintal para que não haja recipiente que possa acumular água!

    Todos juntos somos mais fortes do que um mosquito!

    Faça sua parte, proteja-se!

     

    Fonte: Folha Uol

  • Saiba porque está difícil combater o Aedes aegypti!

    mosquita

    Sempre ouvimos falar do mosquito Aedes aegypti e as doenças que ele transmite, porém no final do ano passado fomos surpreendidos com o Zika vírus que tem deixado todos, principalmente as gestantes, em estado de alerta máximo!

    Toda precaução e prevenção contra a picada do mosquito é essencial. Um pesquisador da Fiocruz alerta que nas grandes cidades tropicais brasileiras existem mais Aedes aegypti do que pernilongos.

    Você sabe o motivo deste mosquito estar mais resistente ?

    Alguns fatores vem  fazendo com que o mosquito se torne mais forte e se adapte com mais facilidade em nosso clima, inclusive se tornando mais resistente nos meses frios do ano.

    Estudos científicos mostram que a larva do inseto pode permanecer latente por até 1 ano, aguardando as condições mais adequadas para nascer.

    O crescimento desequilibrado das cidades, o crescimento populacional e consequentemente o aquecimento global favoreceram o avanço e a adaptação do Aedes Aegypti em todo Brasil.

    O clima é ótimo para sua procriação e isso tem contribuído bastante. Antigamente ele se proliferava em uma quantidade maior de água parada e limpa, e hoje com apenas uma tampinha de garrafa e água suja o Aedes aegypti consegue se reproduzir com facilidade.

    Por isso previna-se contra a picada deste inseto!

    Utilize repelentes SUNLAU diariamente;

    Visite nosso site e conheça nossos produtos.

    www.sunlau.com.br

    Fonte: http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2016/02/descubra-por-que-esta-mais-dificil-combater-o-aedes-aegypti-no-brasil.html

1 2